Resiliência – Cinco dicas para transformar dificuldades em oportunidades

No mundo dos negócios estamos constantemente sujeitos a riscos de imprevistos e transformações. A crise econômica, a alta do dólar, a entrada de novos concorrentes no mercado, a inflação ou mesmo situações internas como a saída de funcionários que ocupavam posições estratégicas, podem gerar instabilidade nas empresas.

Pesquisas recentes dão conta que cerca de 80% dos profissionais têm suas competências diminuídas frente a um ambiente de tensão ou de mudança e por isso mesmo, para empreender com sucesso, é preciso desenvolver a competência emocional da resiliência.

Em linguagem científica, a resiliência é a capacidade de um sistema de superar o distúrbio imposto por um fenômeno externo e manter-se inalterado. Uma empresa resiliente apresenta essa qualidade de enfrentar e superar perturbações externas provocadas pela sociedade sem que desapareça seu potencial de auto-organização. A resiliência permite antecipar crises, prever adversidades e se preparar para elas; manter as competências e habilidades, mesmo diante das adversidades; promover as mudanças necessárias com firmeza de propósito e integridade. A resiliência determina nosso grau de defesa ou vulnerabilidade às pressões externas.

Para André Galassi, especialista em gestão da plataforma de negócios Contaty, apesar de não termos controle dos fatores externos às empresas, podemos desenvolver habilidades comportamentais que nos sirvam de suporte para que nossos negócios não sejam afetados por eles. O especialista explica que o profissional resiliente está constantemente atento ao mercado e detecta os sinais de oportunidades frente a transformações ou adversidades. Ele é capaz de promover mudanças estratégicas e entrega o que promete, sem se fixar no lado ruim da situação.

Como qualquer competência, a resiliência pode ser desenvolvida com dedicação e foco. Para quem deseja agir de forma resiliente, André Galassi traz cinco dicas que podem ser colocadas em prática em qualquer situação:

  1. Controle suas emoções: Manter o controle emocional diante dos imprevistos e adversidades é fundamental para refazer as metas de forma assertiva, planejar diferentes cenários e tomar decisões racionais. Não permita que a instabilidade externa tire seu autocontrole. Além de não resolverem problemas, insegurança ou desespero em momentos de crise podem gerar conflitos pessoais e prejuízos aos negócios e a todos os envolvidos.
  1. Seja proativo: Pessoas proativas influenciam positivamente o ambiente. Elas não se sentem vítimas das circunstancias e, quando surgem situações adversas, analisam o cenário e, então, agem. O oposto de um proativo é o reativo. Pessoas reativas pensam e atuam dentro de padrões de causa e efeito. Elas não analisam as situações como um todo, apenas reagem de forma imediata e impensada, o que, na maioria das vezes, causam prejuízos tanto nas relações pessoais quanto profissionais.
  1. Aja com Determinação: Para superar situações adversas é preciso muita persistência e empenho. Ser resiliente também significa não se abalar pelas pressões e agir com determinação e eficácia no planejamento e execução das ações propostas.
  1. Mantenha o otimismo: Uma pessoa resiliente não se abala por muito tempo com as adversidades porque cultiva um estado otimista. Ela age de forma consciente, sempre acreditando que as dificuldades podem ser controladas, contornadas ou revertidas através de escolhas bem-feitas e estratégias assertivas.
  1. Influencie positivamente: Ainda que você seja resiliente, certamente esta não será uma característica de todos os envolvidos na crise. Quem cultiva a resiliência sai muito na frente e deve saber usar esta competência para alcançar e influenciar sua equipe com objetivo de superar os imprevistos e traçar novas metas.

Sobre André Galassi
André Galassi é especialista em gestão da plataforma de negócios Contaty, especialista em Marketing e Gestão pela Universidade de São Paulo (USP) e Comércio Exterior pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Implementou e comandou o departamento de inovação comercial do grupo JBS e BERTIN; atuou como diretor de compras do grupo Socopa na França e Egatesa na Espanha; dos setores de negócios e biotecnologia do grupo Perez Companc e da AG2 consultoria em desenvolvimento de empresas e agro indústrias. Durante toda sua carreira em grandes empresas, nunca deixou de empreender e hoje é sócio da DAX tecnologia, do grupo BR.CO de exportação de cafés especiais e da VIGA incorporadora e assessoria de imóveis.

Leave a Reply